A família real 1808


No início do século XIX, a Europa estava agitada pelas guerras. Inglaterra e França disputavam a liderança no continente europeu. Em 1806, Napoleão Bonaparte, imperador da França, decretou o Bloqueio Continental, proibindo que qualquer país aliado ou ocupado pelas forças francesas comercializasse com a Inglaterra. O objetivo do bloqueio era arruinar a economia inglesa. Quem não obedecesse, seria invadido pelo exército francês.Portugal viu-se numa situação delicada. Nessa época, Portugal era governado pelo príncipe regente D. João, pois sua mãe, a rainha D. Maria I, enlouquecera. D. João não podia cumprir as ordens de Napoleão e aderir ao Bloqueio Continental, pois tinha longa relação comercial com a Inglaterra, por outro lado o governo português temia o exército francês. Entre nobres, militares, religiosos e funcionários da Coroa. Trazendo tudo o que era possível carregar; móveis, objetos de arte, joias, louças, livros, arquivos e todo o tesouro real imperial. Após 54 dias de viagem a esquadra portuguesa chegou ao porto de Salvador na Bahia, em 22 de janeiro de 1808. Lá foram recebidos com festas, onde permaneceram por mais de um mês.  Seis dias após a chegada D. João cumpriu o seu acordo com os ingleses, abrindo os portos brasileiros às nações amigas, isto é, a Inglaterra. Eliminando em parte o monopólio comercial português, que obrigava o Brasil a fazer comércio apenas com Portugal. Mas o destino da Coroa portuguesa, era a capital da colônia, o Rio de Janeiro, onde D. João e sua comitiva desembarcaram em 8 de março de 1808 e onde foi instalada a sede do governo.

A família real 1808 >>> com a vinda da família real portuguesa para o Brasil inicialmente instalado ou de passagem por salvador. Mas porque o corte não ficou em Salvador?  O posicionamento geográfico do Rio de Janeiro tenha favorecido a permanência da família real no estado, parecia ser mais segura de um possível ataque a corte. “ mas o que levou a corte a ir para o Rio e porque não ficar na Bahia?” houve aqui uma serie de cartas que pedia a permanência da corte aqui na Bahia chegando ao ponto de denegrir a imagem do Rio para convencer a permanência da família real em terras baianas. “Mas será que o povo baiano era tão receptivo a permanência monárquica portuguesa assim? Ou eram apenas interesses na continuidade da corte Lusa em salvador para favorecer o desenvolvimento da mesma?”

Com certeza os interesses da permanência da corte em salvador eram a de desenvolvimento, alavancariam um desenvolvimento econômico e de infra-estrutura na cidade que levaria mais de anos para serem alcançados a emergência de organizar e construir  a cidade para satisfazer a presença da corte seria inevitáveis com isso a população ganharia tais vantagens da presença da corte na cidade e as classes relacionadas a comercio e negócios ganhariam bastante com a corte em salvador. Mas a cidade era um verdadeiro pardieiro era suja, sem um grupo político e econômico influente e com a ausência de centros culturais que atraísse os interesses da família real em salvador.

Postagens mais visitadas deste blog

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERÍODO JESUÍTICO (1549 · 1759)

Analise do quadro Monalisa de Leonardo da Vinci

Lançado o computador pessoal Apple Lisa